Embracing Singularity

BLOG

Introdução

por Victor Hart - 22 de Maio de 2019 #Embracing Singularity

O poder da tecnologia para transformar a existência humana está chegando a um ponto de inflexão. Em séculos passados e até mesmo em décadas recentes, dois ou três avanços transformacionais poderiam acontecer durante a vida de uma determinada pessoa, tornando o mundo um lugar significativamente diferente para cada geração. Hoje, os avanços da inteligência artificial estão ocorrendo a tal ritmo que cada geração conhecerá múltiplas realidades distintas, percebendo alterações dramáticas e frequentes em diversos aspectos da vida cotidiana.

Eu me dei conta da profundidade das mudanças vindouras quando, em dezembro de 2017, li a respeito do algoritmo AlphaZero da DeepMind que, sem qualquer compreensão prévia ou subsídio humano (além das regras do jogo) foi capaz de se tornar o ente jogador de xadrez mais forte da história, apenas jogando contra si mesmo durante umas quatro horas. Pensem nisso: xadrez é um jogo ao qual incontáveis gênios humanos dedicaram boa parte das suas vidas, desenvolvendo e otimizando estratégias ao longo dos séculos, e que tem sido tema central de pesquisa e experimentação da ciência da computação por 70 anos. Um modelo genérico de deep learning, ou aprendizado profundo, que recebeu absolutamente zero input desses séculos de esforço humano e décadas de aplicações da ciência da computação pôde deixar todos os competidores para trás simplesmente jogando contra si mesmo durante algumas horas.

Quer acompanhemos as pesquisas ou não, a partir de agora experimentaremos mudanças radicais trazidas ao mundo pelo aprendizado de máquina. Entre outras coisas, nossos meios de produção e a maioria de nossos empregos sofrerão transformações constantes. Há diversas formas de reagir e de se preparar – ou deixar de se preparar – para as vertiginosas revoluções tecnológicas que temos pela frente.

No meu caso, aos 40 anos de idade, tendo sempre estudado e trabalhado em temas vinculados às humanidades, e tendo alcançado um nível razoável de estabilidade financeira e um elevado nível de segurança no emprego, seria fácil permanecer como um mero espectador e consumidor das mudanças imprevisíveis e espetaculares que a inteligência artificial trará nos próximos anos. Eu poderia cruzar os dedos e torcer para que meu mundo seja abalado apenas por consequências positivas e que minha carreira e estabilidade sejam poupadas do ataque avassalador da Quarta Revolução Industrial.

Porém, esse não é meu estilo. Farei o oposto.

Pretendo me valer de todas minhas fortalezas e minha propensão – até então inexplorada – para a matemática e ciência da computação e apontar para o centro da tempestade que se aproxima. Vou me tornar pelo menos familiarizado, se não proficiente, com a programação e o deep learning. Serei um agente de progresso, protagonista na aplicação da inteligência artificial em meus ramos de trabalho.

Ao longo da vida, aprendi, ensinei e utilizei línguas estrangeiras para enfrentar desafios pessoais e profissionais. Atualmente, estou estudando a linguagem de programação Python e as linguagens da álgebra linear e da estatística para capacitar a mim mesmo e a outras pessoas para criarmos tecnologias que aproveitam as fantásticas oportunidades que decorrem de uma inteligência artificial cada vez mais poderosa. Vou me concentrar, entre outras coisas, em aplicações de aprendizado de máquina na linguística computacional, a interseção entre a linguagem humana e a ciência da computação.

Este blog apresentará minha aventura – a de um profissional de 40 anos sem qualquer formação ou experiência prévia em ciências exatas, tecnologia, engenharia ou matemática para se tornar um programador de computadores e enfrentar a era da inteligência artificial como inovador capaz nos campos de aprendizado de máquinas e processamento de linguagem natural.

Ao longo do caminho, espero inspirá-los a encararem um futuro incerto com entusiasmo renovado e assim alcançarem seus próprios objetivos audaciosos.

Compartilhe:

Logo Whatsapp